Release Ó, o Globo! – biografia Biscoito Globo – Ana Beatriz Manier – @EdValentina

Opções de capa:

                                         Ó, o Globo! – Doce             Ó, o Globo! – Salgado

 

#somostodosbiscoitoglobo

 

Ó, o Globo! é uma homenagem apaixonada a um dos principais patrimônios do Rio de Janeiro. A biografia de Ana Beatriz Manier levanta aspectos desconhecidos e deliciosos sobre a produção do biscoito, misturados à história da cultura carioca e da vida de empreendedores que fizeram do negócio um grande sucesso. Curiosidades incríveis e inéditas, a receita e detalhes da produção da iguaria crocante, desdobramentos da polêmica crítica do New York Times em 2016, depoimentos de famosos e anônimos, e encarte com imagens e fotos encantarão leitores.

A história do alimento se funde às trajetórias das famílias donas do negócio. A biógrafa retoma a chegada dos emigrantes Ponce e Morales, vindos da Espanha para Franca em busca de melhores condições de vida e trabalho, focando em seguida na figura do paulista Milton Ponce, que ainda adolescente aprende a fabricar biscoitos na padaria de um primo no Ipiranga, mudando-se depois para o Rio de Janeiro em 1955, para fomentar vendas no 36º Congresso Eucarístico Internacional. Com o sucesso das vendas maior do que o previsto, é então aberta uma fábrica em Botafogo. A vinda para a capital carioca provocou uma mudança societária, contando mais à frente com a entrada da família Torrão no negócio e a mudança do nome do biscoito para Globo.

A biografia aborda outro aspecto polêmico e inusitado para marqueteiros: como uma marca que preserva a mesma embalagem da criação (inspirada no bonequinho crítico de cinema do jornal O Globo) pode ser cada vez mais conhecida e positiva junto a consumidores e formadores de opinião, já que a empresa Biscoito Globo se recusa a investir em publicidade e divulgação? ´´Enquanto empresas de vários segmentos precisam alugar aviões para puxarem banners pelo céu, bem à vista dos frequentadores das praias, o Biscoito Globo tem sua própria vitrine circulando pela areia, no ombro de cada um dos 350 a 500 ambulantes que carregam sacos transparentes de 70x90cm exibindo sua marca bem na altura dos olhos de qualquer banhista. Saindo do âmbito da praia, a história se repete também em outros locais de grande visibilidade e aglomeração: nos engarrafamentos. Nas mídias é a mesma coisa. Sai no jornal, sai na revista, passa na novela. As pessoas nem percebem que estão fazendo propaganda. Não há exploração da marca por parte da empresa e nem política de licenciamento. É como se o nome Biscoito Globo fosse de domínio público. A grande propaganda do Biscoito Globo é não fazer propaganda´´, explica a autora Ana Beatriz Manier, que se apaixonou na infância pelo produto, degustado em travessias das barcas Rio-Niterói.

 Depoimentos de cariocas da gema ou de adoção, famosos ou anônimos apaixonados por Biscoito Globo, como Helô Pinheiro, o ex-prefeito Eduardo Paes, Ziraldo, foram coletados pela biógrafa: “Já perdi a conta do número de vezes em que o Biscoito Globo me salvou a vida no passado. Na rua, às pressas, entre um compromisso e outro de trabalho e sem tempo para almoçar, era só esticar o braço e aparecia um providencial vendedor – para me dar prazer e mitigar a fome. O incrível do Biscoito Globo é que ele não é gostoso só quando você está com fome. Acho que ele iria bem até no meio de uma feijoada. A outra coisa importante para mim é que, quando volto de alguma viagem – e os que me conhecem sabem que não gosto de sair do Rio –, a melhor maneira de constatar que estou de novo em casa é quando vejo à venda um saco do Biscoito Globo”, afirma Ruy Castro, jornalista e escritor.

No capítulo Ambulantes, nossos heróis do asfalto e das orlas contam suas histórias de superação e dicas para ter sucesso na profissão.

Algumas Curiosidades de Ó, o Globo!

 1 – O funcionário mais antigo do Biscoito Globo, Hildo Gonçalvez, começou a trabalhar como ajudante
de Milton em 1958. Com 44 anos de empresa, aposentado em 2002, aparece sempre por lá para papear e matar a saudade do patrão que considera amigo e irmão.

 2 – Os saquinhos do Biscoito Globo são feitos de papel vegetal com uma película perolizada por dentro, para que a gordura seja absorvida e os biscoitos não percam a “crocância” em contato com o sol.

3 – A receita do biscoito é simples – polvilho, gordura, leite e ovos – e permanece praticamente a mesma desde o início de sua produção, ainda em São Paulo. O que se faz hoje são adequações ditadas pela qualidade do polvilho: um pouco mais de gordura, de leite, de sal ou de açúcar.

 4 – Os funcionários do Biscoito Globo levam, em média, 8 segundos para colocar nove rosquinhas dentro do saquinho de papel e dar aquela dobradinha nas laterais.

5 – Após a compra do Matte Leão pela Coca-Cola, foi
a vez do Biscoito Globo ser alvo de uma proposta
da multinacional. A cifra milionária, no entanto, não foi aceita pelos donos.

6 – O Biscoito Globo e seus ambulantes informam: 70% das vendas são de biscoito salgado e 30% de doce.

7 – Após a matéria publicada no New York Times,
a venda de Biscoito Globo para outros estados do Brasil disparou. Antes restrito ao estado do Rio de Janeiro e há pouco mais de um ano conquistando fãs em São Paulo, a iguaria carioca logo começou a ser encomendada por lojistas do Distrito Federal, de Minas Gerais, do Paraná e do Rio Grande do Sul.

 

Ó, o Globo! – A História de um Biscoito

1ª ed. – Rio de Janeiro: Valentina, 2017.

192 páginas | 16X23cm

Ilustrado com fotos

R$ 39,90

ISBN 978-85-5889-037-3

Tiragem: 5.000 exemplares

Público: Geral

Ebook: R$ 29,90

e-ISBN 978-85-5889-038-0

 

 

SOBRE ANA BEATRIZ MANIER

Tradutora e escritora, Ana Beatriz Manier nasceu em Niterói e está radicada em Nova Friburgo há mais de 30 anos. É formada em Administração de Empresas e em Letras, com especialização em língua inglesa, literaturas de língua portuguesa e tradução.

Assinou a tradução de autores, como Robin Pilcher, Nora Roberts, Mary Rourke e Dee Shulman. Sua estreia como escritora foi em 2011, com o infantil Astrobeijo (Editora Cubzac). Publicou vários contos e crônicas em portais, como o Cronópios, Autores S/A e a Revista SAMIZDAT. Participou também das antologias Poesia.com (Editora Multifoco) e Contos Mínimos (Editora Penalux).
SOBRE A EDITORA VALENTINA

Localizada no Rio de Janeiro, a Editora Valentina mantém seu compromisso de publicar literatura de entretenimento e obras de referência aclamadas em prêmios e principais veículos de imprensa internacionais. O perfil editorial é voltado a romances que abordem a juventude contemporânea e ganhem vida fora do livro, além de temas como urban fantasy, distopia, paranormal, femininos, thriller, chick lit, pets, religiosidade, biografia, bem-estar, steampunk.

Conheça a Editora Valentina também em:

editoravalentina.com.br

facebook.com/EditoraValentina

twitter.com/EdValentina

youtube.com/ValentinaEditora

http://www.instagram.com/edvalentina

 

MAIS INFORMAÇÕES:

Renata Frade

renatafrade@punchcomunicacao.com.br

facebook.com/punch.comunicacao

@Punchcom

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s